Alimentação e Ortodontia

Embora muito se fale hoje sobre a necessidade da ingestão de alimentos saudáveis e dietas equilibradas, não se deve esquecer que os nutrientes só serão aproveitados se houver uma digestão adequada do alimento. O processo de digestão se inicia na boca, com a mastigação e a trituração dos alimentos, sofrendo a ação da saliva.  Neste momento já se inicia o processo de digestão dos carboidratos e quanto menores forem as partículas resultantes da mastigação, maior a superfície que a saliva pode agir, consequentemente melhor a absorção.

O número de ciclos mastigatórios (vezes que a pessoa mastiga o alimento antes de deglutir) também é importante, e varia de acordo com a pessoa e a consistência do alimento, sendo o mais importante que o alimento esteja triturado o suficiente para ter uma boa digestão.

A relação da Ortodontia com a alimentação se refere justamente à eficiência da mastigação. Quanto maiores e melhores os contatos dos dentes, mais eficiente é a trituração do alimento. Dentes que estejam fora de suas posições adequadas (más-oclusões) dificultam esta ação, uma vez que a eficiência da mastigação fica prejudicada. Ao longo dos anos, este processo pode ter impacto negativo para a saúde geral, podendo ser cumulativo e acentuar negativamente outros problemas que o paciente pode apresentar.

A posição dos dentes que mais frequentemente podem impactar negativamente a digestão, comprometendo a correta trituração do alimento são as mordidas abertas (espaço vertical entre os dentes anteriores ou posteriores), mordidas cruzadas anteriores ou posteriores (inversão da posição dos dentes) e a falta de dentes. Nestas situações, a correção Ortodôntica está indicada, independentemente da idade do paciente, melhorando a eficiência mastigatória e favorecendo o processo digestivo. Portanto, o tratamento Ortodôntico pode estar intimamente relacionado com o aproveitamento de uma alimentação equilibrada, impactando positivamente a qualidade de vida.